sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Calculadora de Carboidratos

No site Cauculator.net pode ser encontrada uma Calculadora de Carboidrados. Esta calculadora pode ser utilizada para estimar os carboidratos que você vai precisar por dia. Carboidratos não são nutrientes essenciais para os seres humanos. O corpo pode obter toda a sua energia a partir de proteínas e gorduras. No entanto, o cérebro e neurônios geralmente não podem queimar gordura e precisa de glicose para produzir energia. O Instituto de Medicina recomenda um mínimo de 130 g de carboidratos por dia, que é o consumo médio mínimo de glicose pelo cérebro.

O link para ter acesso a essa calculadora segue:

http://www.calculator.net/carbohydrate-calculator.html

Entrevista - Dieta Low Carb

Entrevista com Noelene Guimarães - Moradora do Riacho Fundo I - DF – Brasil.
Entrevistador: Japhet Pereira.

Bom dia, a senhora faz algum tipo de dieta?

Resposta: Faço sim, cortei completamente todo tipo de açúcar, doces, massas, arroz, mandioca e farinhas, refrigerantes... tudo que tenha açúcar, ou amido, ou doces... como vi na revista.

E os demais alimentos?

Resposta: Esses eu consumo naturalmente, deixo às vezes de tomar o café da manhã, mas o resto eu como de tudo.

A senhora consultou um médico ou nutricionista para começar ou manter essa dieta?

Resposta: Não, mas acredito que o que tenho feito seja muito bom, pois vi na reportagem a respeito de tirar o açúcar da alimentação, que me traria muitos benefícios principalmente na saúde e que de tabela, me emagreceria.

A senhora faz essa dieta desde quando?

Resposta: Faz aproximadamente uns seis meses.

A senhora já perdeu algum peso?

Resposta: No começo perdi muito peso, uns oito quilos em dois meses, mas acredito que estou ganhando aos poucos de novo.

A senhora já ouviu falar de dietas Low Carb?

Resposta: Não, nunca ouvi falar.

A senhora sabe os riscos e benefícios dessa dieta?

Resposta: Não, mas tenho sentido muitas dores não localizadas, nas costas principalmente, e um amigo meu falou que pode ser por causa da dieta. Na semana que vem tenho uma consulta marcada. Eu acredito que seja pedra nos rins... possivelmente não tenha nada a ver com minha alimentação...

A senhora sabe que uma alimentação correta é fundamental para uma boa saúde? E que dietas não compostas adequadamente podem prejudicar muito o paciente?

Resposta: Sei sim, mas fazer o que, tenho que emagrecer e me manter magra, e esse foi o jeito que arrumei.

Após a pequena entrevista, solicitei que ela interrompa a dieta que está fazendo e procure um médico ou nutricionista para, se for o caso, receitar uma dieta Low Carb bem projetada.

Brasília-DF, em 26-08-2010

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Consumo de carboidratos ou lipídios nos exercícios de ultra resistência?


Oi pessoal, em postagens posteriores falaremos dos efeitos metabólicos de uma dieta Low Carb, e sua relação com outras dietas e algumas patologias. Agora, porém, falarei da importância dos carboidratos para a atividade física!
A nutrição é uma importante ferramenta dentro da prática desportiva. Dentre as modalidades esportivas, a nutrição exerce uma grande influência nos chamados esportes de desafio (escaladas e maratonas), que são provas de ultra-resistência ou de longa duração. Para suprir o custo energético de uma prova deste tipo, é amplamente aceito que o consumo de carboidratos antes e durante exercícios prolongados, que irão retardar o aparecimento da fadiga, poupando o glicogênio hepático e muscular e fornecendo glicose diretamente para os músculos em atividade. Recomenda-se que a dieta de atletas de ultra-resistência possua 70% ou mais, ou de 7 a 10 gramas por quilo de peso corporal de carboidratos. Porém, apesar da melhora apresentada com a nutrição bem planejada, alguns pesquisadores procuram desenvolver novas intervenções nutricionais, visando a melhora do rendimento, que continuam a ser estudadas, como a suplementação com lipídios, através do consumo de triglicerídeos de cadeia média (TCM) ou de dietas ricas em lípídios nos dias que antecedem a competição. Os AGCM (Ácidos Graxos de Cadeia Média) constituem uma fonte rápida de energia, pois, ao contrário dos ácidos graxos de cadeia longa (AGCL), não são significativamente incorporados em lipoproteínas (quilomícrons ou VLDL), sendo absorvidos diretamente na corrente sanguínea. A velocidade de absorção dos AGCM no intestino é similar à da glicose. A taxa de captação dos triglicerídeos é proporcional à atividade da LPL no tecido, estando esta elevada no músculo esquelético, em situações de jejum, e no tecido adiposo no período pós-prandial. Dessa forma, a lipase lipoprotéica (LPL) direciona os ácidos graxos para oxidação (no músculo) ou armazenamento como triglicerídeos (no tecido adiposo).


Os carboidratos são o substrato enegético para aividades aeróbias de longa duração, porém , as reservas corporais de glicogênio são limitadas e podem ser totalmente depredadas em eventos atléticos dessa natureza. Assim, pode ser vantajoso aperfeiçoar a utilização dos lípídios (AGL) como fonte de energia, poupando os estoques de glicogênio para os estágios finais da competição.

Vem sendo sugerido que a capacidade de sustentar o exercício pode ser prolongada se a oferta de lipídios for aumentada imediatamente antes do exercício, uma vez que a taxa de oxidação dos ácidos graxos livres (AGL) está diretamente relacionada com a concentração plasmática dos mesmos.



terça-feira, 24 de agosto de 2010

Mera descontração!! hehehehe

IMAGEM: cartoonstock.com

Os Efeitos da Dieta no Metabolismo e na Saúde

Durante uma dieta Low Carb, o corpo reduz os depósitos de gordura devido ao déficit calórico decorrente da baixa de carboidratos, fonte de maioria das nossas calorias. Existe uma quantidade ideal de calorias que o organismo necessita para funcionar normalmente. Quando o consumo de carboidratos é baixo, o seu metabolismo sofre um retardamento, forma que o corpo tem de conservar sua energia. As calorias necessárias são, então, supridas pelas proteínas e gorduras. A Lipólise é acelerada, processo pelo qual a gordura é retirada do tecido adiposo e convertida em Ac. Graxos Livres (AGL) e Glicerol, que se tornam principal fonte de energia para o fígado, músculo cardíaco e músculo esquelético. O oxalacetato, que normalmente se condensa com o Acetil CoA no Ciclo de Krebs , é convertido em glicose que o cérebro necessita para seu abastecimento energético. Como a oferta de Oxaloacetato diminui, o fígado converte o excesso de Acetil CoA em Corpos Cetônicos. É então que ocorre a Cetose, processo comum em pessoas desnutridas e diabéticas, e já abordado aqui no nosso Blog. Os usuários da dieta também estão sujeitos à alguns efetos colaterais como:
  • Fadiga: Carboidratos são a principal fonte de energia para o corpo, a dieta substitui o fornecimento de carboidrato com proteínas e gorduras. É difícil converter gordura em energia.
  • Má-nutrição: dietas de baixo carboidrato privam/retiram da alimentação alimentos como cereais, frutas e legumes, que são ricos em nutrientes e minerais que são necessários para uma boa saúde.
  • Osteoposose: a dieta é rica em proteína, que aumenta a liberação de cálcio através do processo mictório. A diminuição de cálcio no organismo pode levar ao enfraquecimento dos ossos.
  • Doenças Cardíacas: grande consumo de gorduras pode causar aterosclerose, ou seja, deposição de lipídios nas paredes dos vasos provocando a diminuição no diametro dos mesmo, chegando a obstruí-los.
  • Mau-Hálito: o aumento de cetonas pode levar ao mau-hálito em algumas pessoas.
  • Problemas Digestivos: essa dieta leva à menor ingestão de alimentos ricos em fibras, que pode causar problemas digestivos, uma vez que estas são necessarias para evacuações do organismo e sua falta pode levar à constipação. O consumo de água e fibras pode evitar estes problemas em uma dieta low carb.


Comer grandes lotes de carboidratos pode aumentar o risco de câncer de mama, diz estudo.

Por Marilynn Marchione - Pesquisadora de assuntos médicos.

Tradução de Japhet Pereira - Aluno de Medicina, UnB, 09/0117751.

Novas pesquisas sugerem que dietas ricas em carboidratos podem aumentar o risco de câncer de mama.

Mulheres no méxico, que comeram uma grande quantidade de carboidratos tiveram mais de duas vezes mais chances de ter câncer de mama do que aquelas que comeram menos amido e açúcar, resultado científico.

O estudo não é a última palavra sobre o assunto, mas é um dos poucos a analisar a forma como a mania da dieta popular, mas controversa Low-carb, pode afetar as chances de ter câncer, ao contrário de seus efeitos sobre o colesterol e doenças cardíacas.

As novas descobertas também não significam que a dieta é segura ou saudável para se comer muita carne, queijo ou gorduras, como muitas pessoas que vão nas dietas Low-carb fazem, dizem os especialistas.

"Existem muitas preocupações com dietas alimentares ricas em gordura animal", Disse o Dr. Walter Willett, chefe da nutrição da Havard School of Public Health. "Se as pessoas querem cortar os carboidratos, é realmente importante fazê-lo de uma forma que enfatize gorduras saudáveis, como saladas com molhos próprios."

Dr. Willett trabalhou no estudo com médicos do Instituto Nacional de Saúde Pública, em Cuernavaca, México. Foi financiado pela E.U. Centers for Disease Control and Prevention, do Ministério da Saúde do México, e do Instituto Americano para Pesquisa do Câncer. Os resultados foram publicados na revista Cancer Epidemiology, Biomakers & Prevention.

Gorduras, fibras e alimentos específicos tem sido estudados por seus efeitos em vários tipos de câncer. O excesso de peso é conhecido por elevar o risco, mas o novo estudo levou isso em conta e mesmo assim encontrou maior risco nas mulheres que consumiam grandes quantidades de carboidratos.

Os cientistas acreditam que os carboidratos podem aumentar o risco de câncer por um rápido aumento de açúcar no sangue, o que leva a um aumento imediato de insulina secretada. Isso faz com que aumente a divisão de células e também elevem os níveis de estrogênio no sangue, sendo que ambos podem estimular o câncer.

Um estudo realizado no início deste ano sugere que uma dieta rica em carboidratos modestamente aumenta o risco de câncer de cólon. Poucas pesquisas tem sido feitas sobre o cancro de mama, e os resultados tem sido mistos. Um estudo realizado no ano passado, encontrou maior risco entre as jovens mulheres que comiam uma quantidade excessiva de doces, principalmente refrigerantes e sobremesas.

Para este estudo, os investigadores registraram 475 mulheres diagnosticadas com câncer de mama e um grupo de comparação de 1391 mulheres saudáveis na Cidade do México que foram pareadas por idade, peso, tendência de parto, e outros fatores que historicamente afetam as chances de contrair a doença.

As mulheres preencheram um questionário alimentar desenvolvido pelo Dr. Willett e amplamente utilizado em estudos de nutrição, e foram divididas em quatro categorias com base na quantidade de suas calorias totais ingeridas advindas de carboidratos.

Os da primeira categoria superior - com 62% ou mais de suas calorias advindas de carboidratos - tiveram 2,22 vezes mais chances de ter câncer de mama do que as da categoria mais baixa, cuja a ingestão de carboidratos foi de 52% ou menos de sua dieta.

"As descobertas levantam preocupação sobre os possíveis efeitos adversos de comer lotes dos hidratos de carbono", especialmente para pessoas que tem diabetes, resistência à insulina ou estão com sobrepeso, disse o Dr. Willett.

"Acrescenta a informação de que a dieta é importante" no que diz respeito ao risco de cancro de mama, disse o Dr. John Milner, chefe do Instituto Nacional do Câncer de Nutrição.

Como os resultados são aplicáveis à mulheres americanas, é discutível. Os hidratos de carbono constituem metade da dieta típica norte-americana.

"Os principais carboidratos que estas mulheres tinham comido eram derivados do milho, incluindo tortillas, refrigerantes e pães", disse o Dr. Eduardo Lazcano-Ponce, um dos médicos mexicanos que fizeram os estudo.

O milho não é enriquecido com ácido fólico e outros nutrientes, como são muitos grãos, cereais e outras fontes de carboidratos consumidos nos Estados Unidos, e os nutrientes podem ajudar a prevenir câncer, observou a Dra. Sandra Schlicker, diretora executiva da American Society for Clinical Nutrition.

As taxas de câncer de mama nos Estados Unidos estão entre os maiores do mundo. Cerca de 132 casos são diagnosticados para cada 100.000 mulheres. No México, a incidência está crescendo e é atualmente estimada em 38 casos por 100.000 mulheres. Mas o Dr Willett advertiu que essas taxas não são ajustadas para as diferenças de idade e que a população dos Estados Unidos é consideravelmente mais velha do que a do México e, portanto, tem maior risco de câncer.

No estudo, mulheres que comeram uma grande quantidade de fibras insolúveis - encontradas em grãos integrais, frutas e legumes - apresentaram um risco pouco menor de câncer de mama. Fibra pode modular a absorção de carboidratos.

"Isso me leva a crer que as fontes mais saudáveis de carboidratos, ou pelo menos dietas contendo fibras, seriam menos fortemente associadas com câncer de mama.", disse Dr. Marji McCullough, um epidemiologista sênior e especialista em nutrição da American Cancer Society.

Especialistas dizem que mais pesquisas são necessárias, através de estudos que, em vez de confiar na memória das mulheres sobre o que comiam, pede-lhes para manter diários alimentares e, com o passar do tempo, examiná-los por anos mais tarde para observar quais desenvolveram câncer.

Encontrar enlaces alimentares do cancro da mama é importante porque a dieta é comprovadamente um dos poucos fatores de risco que uma mulher pode modificar facilmente.

"Este estudo não é suficiente para que as pessoas façam mudanças em suas dietas, mas é um bom sinal de advertência", disse o Dr. Willett.

O Instituto de Medicina recomenda que os carboidratos constituam 45% a 65% da dieta, e que não mais de 20% podem vir a partir de açúcares adicionados, disse Schlicker.

Fonte consultada em 20-08-2010:
http://www.lowcarb.ca/

sábado, 21 de agosto de 2010

Dieta Cetogênica

O organismo de uma pessoa que muda lentamente de uma dieta de carboidratos para uma dieta rica em gorduras, tenta se adaptar para utilizar mais ácido acetoacético do que o normal e, nesta circunstância, geralmente não ocorre cetose. Certamente por fatores ainda não completamente esclarecidos, que podem aumentar a taxa do metabolismo do ácido acético pelas células.
Até mesmo as células neurais que usam "exclusivamente" glicose, podem, depois de algumas semanas derivar de 50% até 75% de sua energia das gorduras.
Uma grande parte da degradação inicial dos ácidos graxos ocorre no fígado, pela Beta-Oxidação, principalmente quando quantidades excessivas de lípidios estão sendo usadas como fontes energéticas. Apesar dessa via ocorrer no fígado ele utiliza apenas uma pequena proporção da energia derivada da oxidação dos ácidos graxos para seu próprio processo metabólico.
Quando as cedeias de ácidos graxos divide-se em duas moléculas de acetil-Coa estas se condensam para formar uma molécula de ácido acetoacético. Parte do ácido acetoacético é convertida em beta hidroxibutirato e acetona, formando os chamados "corpos cetônicos". Estes compostos difundem-se livremente através das membranas das células hepáticas e são tranportados pelo sangue para os tecidos extra-hepáticos, onde irão servir como fonte de energia. Uma vez nos tecidos periféricos os "corpos cetônicos", serão novamente convertidos a acetil-Coa, que entrará no ciclo do ácido cítrico e será oxidada para gerar ATP (energia) para as células.
Como o ácido acetoacético e o ácido beta hidroxibutírico são substâncias altamente solúveis nas membranas das células-alvo, eles conseguem ser transportados rapidamente para as células teciduais, numa concentração de aproximadamente 3 mg/dl, apesar dessa pequena concentração
grandes quantidades são de fato transportadas.
Quando as concentrações de ácido acetoacético, ácido beta hidroxibutírico e acetona aumentam para níveis muito superiores ao normal no sangue e nos líquidos intersticiais desenvolve-se uma condição chamada cetose. Fatores como diabetes, debilidade e pessoas com dietas formadas quase inteiramente por gorduras, podem levar ao quadro de cetose. Em todos estes estados os carboidratos não são essencialmente metabolizados, no caso das dietas ricas em gordura e na inanição, é porque os carboidratos não estão disponíveis, e no diabetes é por falta de insulina para induzir o transporte de glicose para as células.
Quando os carboidratos não estão disponíveis na dieta, quase toda energia do corpo deve ser derivada do metabolismo dos lipídios. Este processo resulta na secreção de hormônios glicolíticos como o glucagon pelas células alfa do pâncreas e os glicocorticóides pelo córtex adrenal, especialmente o cortisol. Estes hormônios aumentam ainda mais a remoção dos ácidos graxos dos tecidos adiposos.
Uma diminuição acentuada ou a falta completa dos carboidratos na dieta, pode levar a uma acidose metabólica extrema, devido o acúmulo de acetil-Coa, uma vez que o oxaloacetato, produto do metabolismo dos carboidratos não está presente, pelo menos neste caso, para condensar-se com acetil-Coa e permitir sua entrada no ciclo do ácido citríco. Este acúmulo vai ser desviado para produção dos corpos cetônicos que serão produzidos em quantidades tão excessivas que as células não poderão mais utilizá-los, por conta da sua limitação de poder oxidá-los, o que poderá levar a um estado de acidose metabolica ou até mesmo ao coma. A produção de "corpos cetônicos" deixa um hálito de acetona nas pessoas que metabolizam outros compostos ao invés de carboidratos.


FONTE: Tratado de Fisiologia Médica/Arthur C. Guyton, John E. Hall; 11ª edição; Editora Elsevier, Rio de Janeiro-2006.

Qual o papel da glicose/insulina/glucagon no metabolismo dos carboidratos e outros compostos energéticos?

A glicose é o substrato energético usado preferencialmente pelas células teciduais para cumprir suas funções metabólicas. Para que esta substância possa ser usada pelas células dos tecidos do corpo, ela deve ser transportada através da membrana para o citoplasma celular, mecanismo que se dá por difusão facilitada.
Quando nos alimentamos com quantidades suficientes de carboidratos, para suprir nossas necessidades metabólicas, os níveis de glicose sanguínea aumentam bastante, como resposta as células beta pancreáticas produzem e secretam grandes quantidades de insulina para facilitar o transporte da glicose. Na ausência de insulina, no entanto, a quantidade de glicose que pode se difundir para o interior das células do organismo é muito pequena para fornecer a porção normalmente necessária para o metabolismo energético, exceto para as células hepáticas e cerebrais, estas últimas, apesar de serem as maiores consumidoras de glicose não dependem da insulina para essa captação. De fato, a taxa de utilização de glicose pela maioria das células é controlada pela taxa de secreção de insulina pelo pâncreas.
A insulina desempenha um papel importante no armazenamento do excesso de energia. Quando existe quantidades excessivas de carboidratos e outros alimentos altamente energéticos na dieta a insulina induz a síntese destes compostos respectivamente. Depois que as células utilizam a glicose disponível, seu excesso é armazenado na forma de glicogênio, principalmente no fígado e nos músculos, como também no tecido adiposo, sob a forma de triglicerídeos. Ela ainda exerce papel relevante na promoção da captação de aminoácidos e conversão destes em proteínas, além de inibir o catabolismo protéico das proteínas já existentes nas células. O oposto também é verdadeiro, quando em baixas concentrações sanguíneas de glicose os níveis insulinêmicos caem rapidamente, isso geralmente ocorre em períodos entre as refeições (jejum), ou em dietas de restrição dos carboidratos.
Quando os níveis glicêmicos e insulinêmicos diminuem, um outro hormônio (glucagon) também liberado pelo pâncreas (células alfa), entra em ação, porque de alguma forma o organismo precisa compensar essa "falta" de glicose para que a glicemia não caia a níveis comprometedores. Então lança mão da glicogenólise (degradação do glicogênio convertido em glicose) para impedir que a concentração de glicose caia a níveis muito baixos, porém, depois de aproximadamente 8 horas as reservas de glicogênio hepático são depletadas e neste intervalo uma nova via é acionada: a gliconeogênese. Mesmo depois do consumo de todo o glicogênio hepático sob a influência do glucagon, a continuação da infusão deste hormônio ainda causa uma hiperglicemia mantida, por meio da transaminação de aminoácidos para convertê-los em glicose pelo fígado, para o fornecimento de energia. Logo, pode-se notar que as concentrações da glicose sangüinea é o fator mais potente que controla a secreção do glucagon. A maior parte da glicose formada pela gliconeogênese é empregada para o metabolismo neural. O organismo se adapta a nova situação, e evita que o pâncreas libere qualquer quantidade de insulina para evitar que as escassas reservas de glicose disponíveis possam ser usadas pelos músculos e outros tecidos periféricos deixando o cérebro sem uma fonte de nutrição.


FONTE: Tratado de Fisiologia Médica/Arthur C. Guyton, John E. Hall; Editora Elsevier, Rio de Janeiro-2006, 11ª Edição.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Debate: low carb ou ou dieta de baixo teor lipídico?

A Harvard Health Letter investiga o debate!



Pesquisas realizadas pela Harvard Health Letter, não sabem ao certo porque as pessoas perdem peso mais rápido em dietas de baixo carboidratos (low carb), mas uma das explicações mais provável é que os carboidratos são os melhores para suprimir o apetite durante um tempo, tornando mais fácil atingir o objetivo final de todas as dietas, que é a perca de calorias. Entretanto, é possível fazer comparações com dietas de baixo teor de gorduras. Dois estudos resumidos na edição de agosto da Harvard Health Letter, mostra no que diz respeito à perca de peso, que tanto as dietas de baixo carboidratos como as dietas de baixo teor de gorduras tiveram empates em dados estatísticos, depois de um ano.
No primeiro estudo, publicado no ano passado, o plano da dieta de baixo carboidrato (low-carb) fluiu com ímpeto em comparação a sua correspondente low-fat, durante os primeiros seis meses. Porém, no segundo estudo, publicado no início deste ano, os indivíduos que estavam seguindo a dieta pobre em gorduras também continuavam a perder peso em homólogo aos do grupo low-carb.
A edição de agosto informa que são necessários mais estudos para examinar os progressos da perda de peso a longo prazo de ambas as dietas, não apenas os rsultados de um ano. Em relação à saúde, ambos os estudos constataram que estas dietas podem aumentar os níveis de colesterol LDL, considerado colesterol "ruim". Porém, as dietas low-carb superam as dietas low-fat com relação a outras gorduras do sangue relacionadas à doenças cardíacas.
Esta edição dá outras mensagens importantes:
  • As dietas de baixo carboidratos podem ser acompanhadas da ingestão de cereais como os carburadores, eliminando as gorduras mono e pollinsaturadas;
  • As dietas tem diferentes efeitos nos níveis de colesterol e fatores metabólicos. Para uma perca de peso "saudável", converse com seu médico sobre a obtenção de um teste de colesterol. Os resultados podem ajudá-lo (a) a escolher a melhor dieta.
  • Por conta da educação alimentar, do gosto pelos sabores e até fatores genéticos, dentre outros, a resposta individual varia extremamente. Portanto, depois de ir a um bom profissional da saúde e analisar seu estado metabólico, experimente para ver o que melhor funciona para você.

    Abraços!

    FONTE: www.health.harvard.edu/press_releases/low_carb_fat_diet_plan

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Restrição alimentar de carboidratos no tratamento da obesidade

Artigo publicado na revista Ciênc. Méd., Campinas/2006, revela que um dos distúrbios relacionados com a obesidade é a resistência à insulina, que consiste na diminuição da capacidade da insulina em estimular a captação de glicose pelas células, isto se dá por alterações dos mecanismos de ultilização da glicose, ou devido um número insuficiente dos receptores de insulina nas células.
Pi-Sunyer, um dos autores deste estudo, relata que o tecido adiposo em excesso aumenta a demanda por insulina, levando ao aumento da glicemia e insulinemia. Vale ressaltar que, altos níveis plasmáticos de insulina inibem a lipólise, induzem lipogênese e estimulam a fome.
Em indivíduos obesos que apresentam grande ingestão de lipídios e elevadas taxas de lipólise foi comprovado um aumento na oxidação lipídica. Assim, há utilização preferencial dos ácidos graxos de cadeia longa (AGL), provenientes dos estoques de triglicerídeos, como substrato energético, reduzindo assim o uso de glicose derivada da quebra do glicogênio. A diminuição do uso de glicogênio muscular e hépático é responsável por um feedback negativo na enzima glicogênio-sintetase, que consequentemente impossibilita a estocagem de glicose. Nessas condições, os efeitos resultantes são intolerância a glicose e resistência à insulina O tipo de gordura também está associado a essa condição, sendo os ácidos graxos saturados os mais preocupantes.
Em um estudo, realizado com obesos, Golay e seus colaboradosres, analisaram os efeitos de duas dietas igualmente restritas em calorias, porém extremamente diferentes em sua composição. Para os pacientes que consumiram a dieta com 15% do VET (Valor Energético Total) proveniente de carboidratos, (37%, mais ou menos 5 g/dia), observou-se queda significativa na glicemia e insulinemia, por outro lado os pacientes que consumiram dieta com 45% do VET em carboidrato (115 + ou - 14/dia) não tiveram redução significativa, especialmente em relação à insulinemia, visto que as taxas de insulina aumentam/diminuem de acordo com o consumo de carboidratos. Estes dados foram observados ao final da sexta semana, nos pacientes hospitalizados.
Em um outro estudo realizado por este mesmo autor, verificou-se que, em 12 semanas de consumo de uma dieta com 75g de carboidrato por dia, o que corresponde a 25% do VET, os valores insulinêmicos reduziram bastante e que, após a perca de peso dos indivíduos, houve melhora da glicemia e da insulinemia de jejum em comparação com a dieta que fornecia 135g de carboidrato por dia (45% do VET). Com estes resultados os pesquisadores puderam constatar que a melhora da relação glicemia/insulinemia indica que a dieta reduzida em carboidrato pode ser favorável em longo período.
Numa tentativa de testar suas hipóteses, de que indivíduos obesos reagiriam diferentemente aos testes hiperinsulinêmicos, Baba e seus colaboradores, aplicaram estudos à manipulação dos macronutrientes de uma dieta hipocalórica nestes pacientes (80% da necessidade energética em repouso), os resultados mostraram que as duas dietas reduziram significativamente os níveis de insulina, no entanto somente os indivíduos que consumiram mais proteínas e menos carboidratos em sua dieta (45% proteína, 25%carboidrato, 30% gordura) atingiram níveis normais de insulinemia, enquanto os indivíduos do outro grupo que consumiam (12% proteína, 58% carboidrato, 30% gordura) permaneceram hiperinsulinêmicos.
De um modo geral, os estudos tem mostrado boa relação entre dietas com restrição de carboidratos e níveis de glicemia e insulina, embora esse fator dependa também da saúde do indivíduo, para a obtenção de melhores resultados.
Para maiores informações vejam o artigo deste estudo que se encontra no site:


Obrigada!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Será que realmente vale a pena radicalizar numa dieta?




VEGETARIANISMO


Certamente você conhece alguém que fez ou faz uma dieta vegetariana!

Qual sua concepção a respeito dessas dietas? Será que são seguidas de uma maneira saudável?

Só aqui você fica por dentro de coisas que a mídia enfatiza e, muitas vezes de forma distorcida...

Sobre dietas vegetarianas

Vegetarianismo um tipo de dieta que, ao contrário das dietas low-carb, exclui todo e qualquer alimento de origem animal como leite, carnes, ovos e mel. Entretanto, existem vários ramos desse tipo de dieta que permitem ou não ingerir alguns alimentos como ovos, leite e peixes. Assim, devemos analisar cada uma dessas dietas de forma individual, visto que a qualidade nutricional varia de acordo com o padrão alimentar seguido por cada uma delas.

Porque fazer uma dieta vegetariana?

Dentre os motivos pelos quais milhares de pessoas se tornam adeptas do vegetarianismo, estão: busca por uma alimentação mais saudável, influência da mídia, convicções religiosas, éticas e ecológicas. No entanto, a maioria das pessoas não sabem ao certo se o tipo de dieta que estão seguindo é realmente saudável ou se causa riscos à saúde.

É imprescindível uma análise nutricional e bioquímica das dietas para verificar se estão suprindo todas as necessidades nutricionais diárias.

Existem vários tipos de dieta vegetariana e enquanto mais restrita for, maior a probabilidade de o indivíduo ter carências de determinadas vitaminas ou minerais.

Alguns tipos de dietas vegetarianas:
  • Vegetarismo - evita o consumo de qualquer alimento de origem animal;
  • Ovo lacto-vegetarianismo - consiste na dieta básica do vegetarismo, com o consumo de verduras, legumes, frutas e cereais, bem como a ingestão de ovos e leite;
  • Flexitariano - também é baseado na alimentação de origem vegetal, mas permite-se o consumo de peixes;
  • Frugivorismo - é uma dieta à base de frutas cruas ou cozidas.

Saiba mais...


O consumo de frutas pode trazer alguns benefícios como, emagrecimento, pelo maior aporte de fibras, as quais induzem uma digestão mais rápida e menos absorvitiva; diminuição do risco de doenças cardiovasculares pela deficiência de colesterol na dieta, entre outras.


Mais informações? visite o site!: http://www.vegetarianismo.com.br/


lá você terá acesso a informações diversas como por exemplo, sobre o congresso de vegetarianismo que será realizado este ano em Porto Alegre, no mês de setembro, (www.ivo.org/congresso/2010/index.html), além de saber nome de famosos adeptos desta dieta.


Ainda este ano realizar-se-á o 39º congresso a nível internacional sobre vegetarianismo: http://www.wvc2010.org/



FONTE:


1- Lehninger, A. L; Nelson, D. and Cox, M.M; Principles of Biochemistry; 3ª ed. Worth Publishers, 2000.


2- Tirapegui, Júlio; Nutrição: Fundamentos e Aspectos atuais; 2º ed. Editora Atheneu-SP, 2006.




Índice Glicêmico

Um fator importante da nutrição é o Índice Glicêmico (IG), indicador baseado na habilidade da ingestão do carboidrato de um dado elemento elevar os níveis de glicose sanguínea pós-prandial, comparado com um alimento referência, como o pão branco. Simplificando, o IG pode ser descrito como a velocidade com que a glicose dos alimentos é absorvida pelo sangue, quanto maior esse índice, mais rápida é a absorção, o que favorece a obesidade. Alimentos que afetam pouco a resposta de insulina no sangue são consideradas de Baixo Valor Glicêmico, e os que afetam muito, de Alto Valor Glicêmico.
Fatores como a presença de fibras solúveis, o nível de processamento do alimento, a interação amido-proteína e amido-gordura, podem influenciar no nível glicêmico.


Ao que parece, dietas com baixo conteúdo de carboidratos são capazes de melhorar a sensibilidade à insulina, mas não há provas de que em longo prazo as Dietas Low Carb sejam melhores do que aquelas com baixa energética devido à restrição de gordura. A alta ingestão de carboidratos com alto IG podem aumentar a resistência à insulina devido à perda da função pancreática, por secreção excessiva de insulina ou glicotoxicidade das Células-beta. Em contraste, a prevalência de alimentos de baixo IG ajuda a controlar a sensibilidade à insulina. No entanto, há também controvérsia quanto a este aspecto, uma vez que estudos sobre a ingestão desses carboidratos em 15 ensaios clínicos controlados não foram encontradas diferenças nos valores de glicemia basal e insulina embora tenha havido uma ligeira queda nos níveis de colesterol e hemoglobina glicosilada.



FONTES:
http://scielo.isciii.es/pdf/resp/v81n5/colaboracion5.pdf
IMAGEM:
http://veja.abril.com.br/saladeaula/270405

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Rice couve-flor low carb

video

Rice couve-flor low carb com Rachel Edelman

você pode fazer uma versão low carb saudável usando couve-flor!

veja como é feito (vídeo).

FONTE: vídeo about.com/lowcarbdiets/cauliflower Rice-htm

domingo, 15 de agosto de 2010

A relação Metabolismo Energético/ Hormônios Tireoideanos

Um estudo realizado com 48 mulheres obesas em uma dieta baseada em baixo valor calórico, variando entre carboidratos e proteínas durante um período de 21 dias, mostrou que quando as mulheres consumiam 10 g de carboidratos por dia, excretavam mais uréia, amônia e nitrogênio, provavelmente porque os aminoácidos eram fonte mais importante para a gliconeogênese, resultando na excreção desses produtos. Este experimento serviu também para conhecermos o papel dos hormônios T3 (Triiodotironina) e o T4 (Tiroxina). Estes hormônios tireoideanos tiveram seus níveis mais elevados quando as mulheres consumiam mais carboidratos ( 76 e 86g/dia). Uma idéia para essa elevação se deve ao fato de que esses hormônios são responsáveis por influenciar a renovação protéica. Por isso, é importante sabermos a relação desses hormônios com o metabolismo energético.
  • Em níveis normais: T3 e T4 regulam o metabolismo energético, ou seja, a transformação de nutrientes, como a glicose e as proteínas, em energia, para manter as funções vitais. Em outras palavras, tem-se que estes hormônios aumentam a taxa de renovação da glicose e das proteínas.
  • No Hipotireoidismo: o metabolismo energético trabalha devagar, ocasionando menor gasto de energia e aumento de peso. A pessoa engorda principalmente por acúmulo de mucopolissacarídeos que associados à retenção da água provocam inchaço.
  • No Hipertireoidismo: Acelera o metabolismo, levando a um maior gasto de energia e perda de peso, além do aumento do apetite.
FONTES:
http://www.puc-campinas.edu.br/centros/ccv/revcienciasmedicas/artigos/900.pdf


http://saude.abril.com.br


Fisiologia. Berne, Robert M - Rio de Janeiro; Elsevier, 2004

sábado, 14 de agosto de 2010

IMAGEM: Knowabouthealth.com

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Atenção!!!

Se você é usuário (a) das dietas low-carb e deseja realmente perder peso aí vai recomendações de alguns tipos de alimentos que devem ser evitados, ou pelo menos reduzir sua ingesta, nessas dietas:
  • Arroz, pipoca, torradas, pão francês, pão de forma, doces caseiros e doces industrializados, leite integral, açucar, refrigerantes, macarrão e demais derivados dfarinha branca.
Para obter bons resultados é preciso ter dedicação, mas principalmente tomar os devidos cuidados para não extrapolar os limites do seu organismo por um propósito de beleza que poderá futuramente, trazer graves consequências. Considerando que pessoas qua fazem uso de dietas com redução dos níveis de hidratos de carbono geralmente ingerem grandes quantidades de proteínas, chamo ATENÇÃO também em relação as contra-indicações, em casos específicos de indivíduos que não podem fazer uso destas dietas; o quadro se restringe a pessoas que tem insuficiência renal ou hepática, comprovadamente diagnosticadas, pois nesses casos a ingestão excessiva de proteínas sobrecarrega o fígado e os rins. Devido a grande produção de uréia e menor excreção pelos rins incapacitados, o indivíduo poderá desenvolver acidose metabólica e até mesmo produzir cálculos renais (cristais de uréia) e edema. Portanto, para se seguir uma dieta recomenda-se, antes de tudo, ir a um nutricionista e/ou médico para verificar se o seu estado metabólico encontra-se em perfeitas condições.
CUIDE-SE!

FONTE: livro- Júlio Tirapegui, Nutrição: Fundamentos e Aspectos Atuais- 2ª edição-
IMAGEM: wellsphere.com

Melhor Dieta: low-fat (baixo teor de gordura), low-carb (baixo de hidratos de carbono), ou mediterrânea?

video

Investigação desmente a antiga crença de que as dietas pobres em gorduras são as melhores!

A idéia, ao que parece, foi que o menor teor de gordura de uma dieta melhora seus resultados. Novas pesquisas estão sendo divulgadas a respeito desta temática, para determinar o destino final da dieta de baixo teor de gordura.

Investigadores da Universidade Ben-Gurion do Negev, em Israel, em estudos comparativos da dieta low-fat e dietas mediterrâneas- baseada em gorduras saudáveis, frutas e legumes- perceberam que esta última "escanteiou" a dieta low- fat, tanto em termos de quanto os pacientes perderam peso como a forma que muitos benefícios de saúde ganharam como resultado da dieta.

FONTE: por Grayson Audrey

Unidade de medicina ABC news, 16 de julho.

Fibras ou gorduras? você escolhe!

Segundo pesquisa realizada pela revista Jornal of the American College of Nutrition, realizada em junho de 2009, acredita-se que a ingestão maciça de carboidratos refinados (CHO) pode ser um fator relevante para o desencadeamento de doenças como diabetes mellitus tipo 2, sobrepeso e/ou obesidade e resistência à insulina. O estudo mostra em primeira instância que essas dietas com baixa ingestão de carboidratos refinados tem se tornado cada vez mais populares. Apesar dessa abrangência nem todas as pessoas estão satisfeitas com essas dietas, além de uma preocupação em ter que substituí-la, na maioria das vezes, por uma maior quantidade de gorduras.
Uma maneira de adequar-se a uma dieta "saudável", seria através da adição de fibras solúveis que tem como papel fundamental auxiliar na motilidade e consistência do bolo alimentar, além de retardar a absorção dos carboidratos refinados, o que irá diminuir o indíce glicêmico e, consequentemente a diminuição do estoque de glicogênio pelos tecidos. Contudo, a maioria das pessoas não segue as dietas ricas em fibras. Uma outra forma de reduzir a absorção de carboidratos é fazendo uso de suplementos dietéticos naturais que poderão inibir a atividade de enzimas responsáveis pela quebra e absorção dos carboidratos, como por exemplo a amilase e alfa-glicosidase.
A ingestão de fibras, frutas e também do feijão branco podem prevenir contra "diabesidade" e outras patologias como aterosclerose e hipertensão, pela promoção dos efeitos benéficos destes alimentos ao organismo.


FONTE: J Am Coll Nutr 28 (3) 266-76, junho/2009
(Jornal of the American College of Nutrition)

DESCONTRAINDO...


quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Ataque Cardíaco - Um dos riscos da dieta protéica

As doenças cardiovasculares e acidentes vasculares cerebrais são focos de importantes estudos médicos e por isso provocaram maior interesse das pessoas nas dietas, principalmente as Low Carb, como a Atkins e South Beach. Pesquisadores decidiram investigar o impacto desse tipo de dieta no sistema cardiovascular, depois que dezenas de pessoas que haviam se submetido a elas sofrerem ataques do coração.
Após serem feitas as devidas experiências com ratos, que foram submetidos a esta dieta, percebeu-se que os camundongos da dieta Low Carb desenvolveram mais focos de aterosclerose arterial (as placas de gordura que se depositam nas artérias e que podem levar a derrames e ataques cardíacos) e tiveram menor habilidade de regeneração de vasos sanguíneos em resposta à isquemia ( danos por falta de nutrientes/oxigênio) do tecido vascular.
Ao fim do experimento, os animais alimentados com a dieta Low Carb ganharam menos peso, mas desenvolveram 15% mais ateromas do que os que haviam ingerido a comida padrão. Os que haviam sido alimentados com a Dieta Ocidental (quantidades semelhantes à Low Carb em gorduras) tiveram 9% mais aterosclerose.
SC - Dieta Normal
WD - Dieta Ocidental
LCHP - Dieta Low Carb e Alto teor Protéico



FONTES:



Curiosidades sobre as dietas...

Você sabia que dietas de grande consumo de proteínas e redução no consumo de carboidratos, por exemplo dieta de Atkins, são mais eficaz em homens que em mulheres?
Segundo pesquisa realizada pela Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, os homens que seguem essa dieta são mais tendenciosos a perca de peso do que as mulheres. Os dados revelam que um terço dos homens que fizeram parte do estudo perderam mais de 22 kg, enquanto que para as mulheres essa perda não foi tão relevante. A dieta de Atikns consiste na ingestão de carnes e outros alimentos com altas taxas de proteínas e uma restrição aos carboidratos, principalmente os carboidratos complexos como arroz, macarrão e batatas.
O co-autor do estudo, Jeef Volek, disse que "os resultados demonstram que dietas curtas com restrição de carboidratos são mais eficientes para perda de peso e de gordura do que dietas com baixo teor lipídico". Um outro fato curioso é que esta dieta revela uma forte tendência a perca de peso nos primeiros seis meses, segundo estudo realizado por médicos na Dinamarca.
Os efeitos colaterais desta dieta podem incluir: dores de cabeça, constipação, fadiga, náuseas e mau hálito, assim muito do emagrecimento das primeiras semanas é o resultado de uma perda não saudável de tecido muscular e água, o que é péssimo em termos de saúde. Além disso, os críticos da dieta afirmam que ela causa danos aos rins, enfraquece os ossos e aumenta os níveis de colesterol. Por isso, recomenda-se para os usuários de qualquer dieta fazer uma análise do que está sendo consumido e a forma como estas estão sendo seguidas.



FONTE: http//www.dietaesaude.org/atikins.php

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Fique Ligado!

Um dos grandes problemas em seguir a dieta Low Carb refere-se à produção excedente de corpos cetônicos (cetose). A cetose é um dos estágios do metabolismo, em que o fígado converte as gorduras dos alimentos em ácidos graxos, depois em corpos cetônicos que podem ser utilizados pelo corpo como fonte de energia!
Quando o corpo utiliza gordura como fonte energética, é porque existe pouco carboidrato para ser metabolizado. É verdade que se perde peso perdendo massa. Existem dois tipos de massa corporal, a massa gorda(tecido adiposo) e a magra (tecido muscular). No caso da cetose, o que se perde é a massa gorda. Concomitantemente à perda de massa gorda, há também a perda de massa magra devido ao catabolismo de aminoácidos e produção de excretas nitrogenadas. Altas concentrações de corpos cetônicos são tóxicos ao corpo, causando Acidose, que se refere a uma diminuição no pH do sangue, podendo em casos extremos levar ao coma! Por isso, devemos ter cuidados nas dietas que adotamos e não extrapolar os limites, pois as consequências podem ser desagradáveis!

FONTE: www.corpoperfeito.com.br/ce/lowcarb

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Fome? Efeito da Grelina


De maneira básica, nos alimentamos por que temos necessidade de fornecer energia para o corpo, ou seja, manutenção das reservas energéticas em um nível que assegure o abastecimento e funcionamento dos orgãos.

No período de jejum, as reservas energéticas são usadas no fornecimento de energia para as células, que deve ser contínuo. Como consequência, as quantidades de glicogênio (presentes nos músculos e fígado) e de gordura diminuem. Os principais hormônios sinalizadores dos níveis energéticos são Leptina, Insulina e Grelina.

Um estudo realizado sugere que o consumo de proteínas suprime o efeito da grelina, conhecido como o hormônio da fome, o que explicaria a perda de peso provocada por dietas ricas em proteínas. A grelina é produzida pelo estômago e atua no cérebro dando a sensação da fome quando o estômago está vazio. Ao ingerir alimentos, a secreção de gralina diminui, acabando com a sensação de fome.

FONTE: http:/nutrimos.wordpress/2010/04/06/comportamento-alimentar/

Você Sabia?


O uso de dietas de baixo carboidratos exige maior consumo de proteínas de alta qualidade, além de um maior aumento do consumo de gorduras insaturadas, para suprir as necessidades metabólicas e o aporte energético exigidos pelo organismo na redução da ingestão de carboidratos.

O grande aumento do consumo de proteínas em dietas Low Carb se dá exatamente pelo intuito de perder peso e consequentemente, manutenção da massa muscular. Existe no entanto, um grande problema ao se seguir esta dieta: é provável que muitas pessoas não se preocupem, ou pelo menos não se dão conta de que ao mesmo tempo que estão ingerindo alto teor alimentar protéico (ás vezes proteínas de má qualidade) também estão ingerindo muitas gorduras saturadas. O que é potencialmnte prejudicial à saúde, segundo pesquisas científicas e muitos profissionais da saúde.

Obrigada!